*

Solicite agora seu PRESENTE DIFERENTE Acrósticos e Poesias personalizados clique aqui com a comodidade e segurança

Pesquise no blog ou na Web

Poetizando Sentimentos




















Amanhã Talvez ®

Teria chegado a hora?
Que fazer quando não podemos insistir
A duvida é ficar e esperar
Ou não crer e partir

Diante dos olhos o improvável?
Ou apenas o que não se queria ver
É como se já soubéssemos
Que isso poderia acontecer

Olho-te e não te reconheço
Olho-me e não me encontro
Busco respostas a todo o momento
Porque fujo do confronto?

Ficar ou partir?
Até quando resistir?
Até quando vou me iludir?

Solange Vilela – nov/2010












COMO DIZER®

Ela tinha vontade de amar e ser amada
Mas isso todo ser humano tem
Onde ela era diferente?
Na forma de se doar, na forma de ser?

Nunca conseguira, nunca encontrara alguém
Capaz de deixar que
Nunca encontrou um verdadeiro amor
Ou talvez tenha encontrado tantos

Que não viram em seus olhos o brilho da paixão
Não sentiram a sua respiração ofegante
Não tocaram seu suor depois de fazer amor
Não perceberam que ela estava se doando

Doação voluntária sem nada em troca
Ela só queria amar, pois sabia que seria amada
Tinha essa certeza, não se sabe porque
Mas tinha essa certeza

Esperou que algo acontecesse
Buscou algo para fazer acontecer
Apostou, se arrojou, se jogou
Nunca conseguiu ser amada

Com a certeza que tinha muito amor para dar
Desistiu, não mais procurou nem se deixou encontrar
Refugiou-se no seu mundo  
Escondeu-se de seus sentimentos

E sem querer descobriu-se um ser
Como tantos outros
Mas infinitamente corajosa
E acima de tudo mulher

Solange Vilela/2001








Tira-me®
Tirem-me o raciocínio lógico
E não saberei calcular o tempo
 Tirem-me a noção de espaço 
E não sei se caberá minha saudade no coração
Tirem-me a sensibilidade
E não sentirei o calor da tua mão
Tirem-me a visão
E nunca mais enxergarei o por do sol
Ainda que me tirem tudo
Levarei comigo o passado
E de lá ninguém jamais
Conseguirá tirar-te

Solange Vilela -Out/2010












 O que importa®

Nunca se sabe a importância que temos na vida das pessoas
Nunca se sabe se alguma importância temos
Nunca se sabe se alguma importância isso tem
O que se sabe é o que verdadeiramente importa
E a importância do que é verdadeiro
E de verdade o que importa neste momento
É o que vai em teu nobre coração
Na " Estrada Nova " " o medo de ir embora"

Na " Estrada Nova" "lembra se puder, se não der esqueça"

Impossível esquecer quem de verdade sabe dar importância

Solange Vilela - Set / 2010











No Cair da Noite®

O sereno cobre a grama com seu orvalho
Produzindo um brilho inigualável
Gotas se formam e enfeitam
O que já tem uma beleza natural
As estrelas brilham no céu distante
Representando o infinito
Perfiladas ou não
Brilham incansavelmente
A lua se faz presente no cenário
As vezes inteira, as vezes minguante
Ora crescente, ora novamente...sempre a reluzir
As vezes clareando um caminho solitário
Se pudesse deslizaria as gostas de orvalho pelo seu corpo
Para ter a certeza de ver seu sorriso brilhar
Impedindo que gotas de lágrimas caiam
Por esse rosto que é meu
Iria ao céu para uma estrela buscar
Para te amar enquanto ela brilhasse
E sempre ao seu lado ver o seu sorriso
Brilhando como as estrelas
A lua não traria não!
Ela ficaraia em seu lugar natural...
Pois bem sei que preciso de uma testemunha
Às vezes nem eu acredito que te amo tanto !
Solange Vilela  - ago/2001





Nenhum comentário:

Postar um comentário